quarta-feira, 10 de junho de 2009

AVALIANDO E REPENSANDO




Na oficina o2 deixamos a primeira"tarefa" para os cursistas: estudo da primeira unidade do TP3.
Mas eu não havia percebido( em meio à tantas informações e implantação do Programa) que eu deveria ter solicitado o estudo das duas primeiras unidades, no caso, 09 e 10.
Contudo, trabalhamos as duas unidades.

Nesta oficina não houve Relato de Prática, por ser especificamente a 1ª de estudo.
Conforme a programação das oficinas sugerida no Guia geral procuramos verificar dúvidas e sugestões. Percebemos que muitos não haviam realmente estudado o que foi pedido. Como havíamos previsto esta possibilidade, além do que foi pontuado pelos professores destacamos alguns pontos teóricos que as unidades abordavam. Usamos apresentações em datashow para isso.

Com relação ao "Texto de Referência", foi tudo muito tranquilo.
Outras partes do TP é que chamaram a atenção.
A unidade 10 aborda os Gênero literário e não literário. Quanto a esta abordagem tanto eu , como formadora, quanto o grupo não gostou do início. Poderia ter sido muito mais interessante, melhor fundamentada e até mais clara.

O Tp3 tráz a biografia de Carlos Drummond de Andrade. Procurei valorizar o nosso Prata da casa, poeta sulmatogossense, Manuel de Barros, com sua "Auto-biografia" e alguns de seus versos metalinguísticos da obra:"Matéria de Poesia".
Como o tema da unidade era Trabalho, usamos o vídeo do youtube"Operário em Construção".

Um ponto que foi muito jóia foi o estudo do gênero poético cordel, mostramos a produção de uma poeta de nossa região, Odila Lange, com seus cordéis que abordam temas como: direitos do cosumidor, meo ambiente,e tc.
Usamos um pequeno vídeo : Cordel do fogo encantado.

Deixamos a avaliação da oficina para a última parte.
Os cursistas disseram ter gostado, mas acharam que a quantidade de informações era muito grande, pois alguns ainda tinham dúvidas sobre o funcionamento do curso.
Durante a oficina também fui ponderando, processando as modificações e ajustes que deveriam ocorrer nas próximas oficinas.

Fou uma verdadeira maratona: conciliar "alunos" novos, entrega de kits, controle de tempo, alguns imprevistos.

CRONOGRAMA DAS OFICINAS - GESTAR II LÍNGUA PORTUGUESA

Na 1ª oficina introdutória distribuimos o cronograma das oficinas do GESTAR II. Todas ocorrerão
às segundas-feiras , dia reservado para as horas atividades dos professores de Língua Portuguesa, tanto na Rede Municipal quanto na Rede Estadual de ensino de Dourados-MS.

CRONOGRAMA GESTAR II
LÍNGUA PORTUGUESA - Dourados-MS

MÊS

DIA

OFICINA

Março

16/03

01

30/03

02

Abril

13/04

03

27/04

04

Maio

11/05

05

25/05

06

Junho

08/06

07

22/06

08

Julho

06/07

09

27/07

10

Agosto

10/08

11

24/08

12

Setembro

14/09

13

21/09

14

Outubro

05/10

15

19/10

16

26/10

17

Novembro

09/11

18

23/11

19

Dezembro

07/12

20

terça-feira, 9 de junho de 2009

PERFIL DOS CURSISTAS GESTAR 2


INTENCIONALIDADE NA ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES:

Cada uma das questões foi elaborada com um objetivo específico para conhecermos melhor nossos curistas.
Logo na 1ª oficina introdutória pedimos que esta ficha fosse preenchida.
Posteriormente fiz a tabulação dos dados. Interessante é que isto foi feito antes da solicitação de nossa Orientadora, que bom, estamos em sintonia.
Brevemente, a tabulação dos dados.


Perfil do cursista Gestar II - Língua Portuguesa










01) Dados pessoais:

Nome:_________________________________data de nasc.____/___/________

Telefones:_________________________E-mail:__________________________

02) Escola(s) do Município em que trabalha:

03)Trabalha em alguma outra escola ou local? Qual?

04) Trabalha( ) ou já trabalhou ( ) com o Ensino Médio? ( ) não.

Rede pública ( ) Rede particular de ensino( ).

05)a. No Ensino Médio atuou ( ) ou atua ( ) especificamente nas áreas de:

( ) redação ( )gramática ( ) literatura ( ) ou ( ) em todas as áreas

b. Com qual (quais) desta(s) área(s) você mais se identifica?

06) Quantas horas/aulas você leciona?

07) Assinale os turnos em que você trabalha: ( )matutino ( ) vespertino ( ) noturno

09) Em que Instituição cursou Letras?

08) Qual a sua habilitação específica do Curso de Letras?

09) Há quanto tempo você é professor de Língua Portuguesa?

10) Cursou( ) ou cursa( ) pós-graduação( especialização, mestrado , doutorado) ? ( ) não

Em que área específica? Em que instituição?

Qual o tema de sua monografia /artigo de conclusão de curso?

11) Tem outra formação acadêmica? Qual?

12) Faça uma reflexão sobre a sua formação acadêmica (graduação/pós-graduação) e sobre sua prática pedagógica.

RETRATO CHINÊS EM VÍDEO - Oficina 03

video

OFICINA 03

Veja o vídeo motivacional: o carpinteiro.

http://www.youtube.com/watch?v=F8kJ6H3lMOs

-Na 1ª parte procuramos tirar as dúvidas que os cursistas ainda tinham sobre o Programa Gestar II.
-Na 2ª parte passamos às dúvidas sobre as unidades estudadas:09 e 10.
Destacamos as principais idéias das unidades conforme os slides:


-A pág 122 do TP3 tem uma atividade bastante interessante sobre os diversos pontos de vista.
Vídeo: Gêneros literários

video

Gênero relato de prática


Por que relatar a prática didática?

Muitas vezes se diz que estudos teóricos e práticas pedagógicas não combinam bem. Uma das expressões usadas para afirmar isso, e que todos já ouvimos é: “Na prática, a teoria é outra coisa”. É evidente que há diferenças entre estudos teóricos e sua aplicação na prática pedagógica, mas é na relação entre elas é que estão as oportunidades de mudança e crescimento da qualidade em educação que tanto almejamos.
A escrita de relatos de experiência da prática escolar é vital para o estabelecimento da cadeia entre ação anterior, reflexão, nova forma de agir. Ao elaborar relatos, o professor, ao mesmo tempo em que relata sua prática, reflete sobre ela, passa a compreendê-la melhor e a ter condições de aperfeiçoá-la.


Orientações para a elaboração de relatos de experiência de prática pedagógica:
O relato de prática pedagógica é um gênero de texto que pode revelar, se bem planejado, a aproximação dessa prática com uma teoria que a fundamenta.

Como gênero textual, o relato de experiência de prática pedagógica tem características muito próprias, que os diferenciam de outros gêneros. Por exemplo, ele é muito diferente de um relatório. Um relatório precisa parecer neutro, não pode revelar a autoria de quem o escreveu. Ao contrário, o relato de experiência de prática pedagógica é um gênero de texto que põe em evidência a autoria de quem o escreveu e tem marcas que refletem essa autoria. Essas marcas de autoria aparecem no texto todas as vezes que o autor faz referência a experiências muito particulares que somente ele viveu com seus alunos em particular, ou na coordenação de grupos de formação de professores, em sua sala de aula, em sua escola.
Como está relatando essa experiência para alguém com quem pode partilhá-la porque também tem experiências semelhantes, ele faz uso de pronomes pessoais e de tratamento, como se dialogasse com esse leitor. Além disso, como o relato fala de situações experimentadas pelo autor, revela as sensações e emoções vividas nessas experiências. Isso é marcado pelo uso de adjetivos que aproximam o leitor dos sentimentos vividos pelo autor do relato.

Outro aspecto forte no relato de experiência é que a vivência das pessoas nunca é solitária. Assim, seu autor também revela em seu texto o diálogo com outros sujeitos que dela participaram, relembrando momentos, trazendo vozes dos professores que dela participaram.
Concluindo, podemos afirmar que a escrita de bons relatos de prática pedagógica parte, como em outros gêneros textuais, da reflexão do autor sobre os elementos da situação de comunicação em que seu texto será produzido e da inclusão desses elementos em sua escrita.

Sugestão de roteiro para a elaboração do relato de prática pedagógica

01. Considerar que o tema central do relato é a sua experiência em sala de aula ao colocar em prática as oficinas propostas pelo Gestar II . Por isso, faça referência ao número da Oficina escolhida por você, bem como das adaptações que sentiu necessidade de fazer.

02. Levar em conta o veículo em que esse relato vai circular (jornal, revista especializada na área, numa comunidade virtual )e o público a quem é destinado ( no nosso caso, os cursistas do GESTAR II e o professor formador).

03.No caso dos relatos realizados para o Programa GESTAR II, considerar que os colegas de curso estão interessados em saber as particularidades da experiência vivida em sala de aula e a maneira pela qual essa prática, de alguma forma, se relaciona com uma teoria e com o projeto do Programa.

04. Lembrar-se de que vai escrever um texto sobre uma experiência vivida que, de certa forma, contribuiu, ou até mesmo, transformou sua prática pedagógica.
05. Quem relata qualquer fato, em qualquer situação, necessita da memória, por isso, ao utilizá-la, um autor sempre faz um jogo do “agora” com o “ontem”, do “aqui” com o “lá”. Por essa razão, aparecerão no texto marcas desse jogo, por meio de verbos, dos tempos verbais. Esses verbos são usados, ora no presente (“eu me lembro”), ora no pretérito imperfeito (“os alunos estavam animados e falavam bastante”), ora no pretérito perfeito (“decidi que ia abordar a situação de outro jeito”).

06. Ter em mente que o autor rememora situações vividas com outros sujeitos, trazendo vozes desses sujeitos para seu texto, citando direta ou indiretamente o que eles disseram.

07. Lembrar de :

-situar o leitor/interlocutor(no caso de relato oral), dando referências de quando e onde a situação relatada ocorreu;

-garantir coerência ao relato, relatando primeiramente o início da experiência e prosseguindo com fatos que ocorreram na seqüência, até chegar ao fechamento da atividade;

- Procure não ser muito detalhista (principalmente quando o relato for feito oralmente), procure ser objetivo. É claro que, alguns detalhes são indispensáveis, pois podem ter feito diferença na aplicação de determinada oficina.

- finalizar com uma reflexão sobre os resultados da prática pedagógica a qual se refere.

BILIOGRAFIA: Site escrevendo o futuro/ adaptado por prof. Daura Del Vigna Galvão-Gestar II-Dourados MS

2ª OFICINA GESTAR 2


Na segunda oficina só estavam os professores cursistas. Para uma melhor integração de um grupo que vai conviver por um bom tempo trabalhamos com a dinâmica do Retrato Chinês. Que consiste em cada um se apresentar falando de algumas de suas características relacionadas a algumas questões.

Em nosso caso, para não ficar uma "dinâmica sem dinamismo" optamos por três questões, cada curista deveria respondê-las e justificar suas opções.
01) Se eu fosse um animal, seria...
02) Se eu fosse uma cor, seria...
03) Se eu fosse um sentimento seria...

Esta é uma boa sugestão para conhecer um pouco o perfil dos alunos, no início do ano letivo.
Existem várias listas, eis algumas sugestões, use a criatividade e faça as adaptações conforme público e contexto :

Retrato Chinês


Se eu fosse…um mês, seria: Julho
um dia da semana: Mercredi
uma bebida: Água
uma comida: Bolo de Chocolate
um pecado: Orgulho
uma qualidade: Optimismo
um defeito: Orgulho
uma fruta: Framboesa e Damasco
uma flor: Violeta
uma cor: Lilás
um animal: Borboleta
um som: Riso de uma criança
uma música: How can you mend a broken heart, Al Green
um estilo musical: Soul e Disco
um sentimento: Ternura
um livro: [...]

Posted by: jacky on: 03/03/2006

http://amorizade.wordpress.com/category/weblogcompt/retrato-chines/

-Distribuimos os materiais.
-Trabalhamos com as expectativas do grupo.
-Perguntamos o que eles gostariam que o curso contemplasse.
-Tiramos as dúvidas gerais sobre o Programa, destacando alguns pontos do Guia Geral.
-Destacamos a importância da entrega dos trabalhos dos alunos, relacionados aos "Avançando na Prática" e da entrega do relato de prática.
Já que o Gestar enfatiza o trabalho com diversidade de gêneros textuais, trabalhamos com o gênero Relato de Prática, veja abaixo: